Paternidade-helicóptero | Por Fernando Albrecht

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

Estudo da Universidade de Yale (Estados Unidos) comprova o impacto da desigualdade econômica nas mudanças no estilo de paternidade, com o surgimento e multiplicação dos chamados pais-helicóptero, sempre girando em torno das suas crias. Segundo o trabalho, a saída de uma situação de estabilidade econômica para a de crise pode ser capaz de gerar pais superprotetores.

Os pesquisadores de Yale concluíram que pais em países desiguais tendem a ser mais firmes. No caso do Brasil, considerando a mais recente World Value Survey (Pesquisa Mundial de Valores) 55% dos pais brasileiros são autoritários, 35% são autoritativos (altos níveis de controle com valorização da resposta do controlado) e menos de 10% são liberais”, diz um dos pesquisadores, Fabrizio Zillibotti. Uma pena que o estudo não discrimine as faixas de renda. Como já dizia o embaixador Roberto Campos, pesquisa é como biquíni, mostra tudo menos o essencial.

 

Um banco feminino

Gosto muito da frase e a uso amiúde do jornalista Ivan Lessa: de 15 em 15 anos, o Brasil esquece os últimos 15 anos. Com a ocupação crescente dos espaços públicos e privados pelas mulheres, deveria pelo menos ter uma galeria de pioneiros. Então como ex-funcionário de um banco gaúcho que não existe mais, o Província, em verdade vos digo que este bastião do conservadorismo feminino criou, na metade dos anos 1960 – eu escrevi 1960! – uma agência exclusivamente feminina, inclusive com mulheres em todos os cargos da agência.

A agência ficava quase na esquina da rua Marechal Floriano com a Riachuelo. Não se aceitavam clientes homens, portanto não se viam homens nesta agência do Banco da Província. Elas dispunham de banheiro luxuoso, espaço para maquiagem e até uma costureira para consertar emergências, pregar botões etc. Pode ser que hoje exista algum banco com agência nestes moldes, mas se existe não o divulgam.

Na época, ninguém achou estranho, todos os clientes e a sociedade aplaudiram. Depois o banco foi vendido e terminou-se o que era doce. O Província era chamado “O velho jequitibá” pela sua antiguidade – foi fundado em 1858 – e era extremamente conservador nos negócios. Sei porque fui assistente da gerência da matriz antes de enveredar para o jornalismo.

Isso sim que merecia ser lembrado cada vez que se fala no machismo dos velhos tempos.

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: