O CAMPEÃO VOLTOU CESSEM AS TROMBETAS AMARGAS | Por Carlos Josias

O CAMPEÃO VOLTOU CESSEM AS TROMBETAS AMARGAS | Por Carlos Josias

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

No encontro dos REIS DE COPAS deu Grêmio de novo.

O Grande Rei de Copas Argentino sucumbiu de novo diante do Rei de Copas Brasileiro. Na primeira caíram por 4 x 1 no Japão, na segunda resistiu bravamente mas a Taça ficou, mais uma vez, aqui no RS, com o Tricolor. Talvez fosse exagero dizer que o Grêmio massacrou o CAI, pero no mucho. Foram 25 chutes contra 10 em direção ao gol adversário, 9 chegaram contra 1, 71% de posse de bola contra 29%, 6 escanteios contra 2, 5 pênaltis convertidos contra 4. Nem o Bispo aceita lamentos. Computa ai no mínimo 4 chances de gols, contra uma, e mete uma cabeçada na trave na estatística. O resultado do tempo normal e prorrogação não diz o que foi o jogo. Se alguém merecia ganhar, sem dúvidas, este foi o Gigante Azul, Preto e Branco.

Ah, jogaram com dez grande parte, só que: – ficaram com dez por culpa de quem mesmo – expulsão justa – ? – antes de ficarem com dez haviam três chances criadas pelo bom futebol de quem entrou para ganhar, e ganhou. O CAI, todo de vermelho, exibiu um goleiro soberbo que resistiu bravamente uma cavalaria avassaladora no ataque praticando defesas excepcionais, e impedindo o final do jogo no tempo regulamentar e prorrogação.

Mas a noite guardava um prêmio maior – justamente para o dono das quatro traves que estava do nosso lado, ali, tomando conta da nossa goleira. Caprichosamente, os deuses do futebol deixaram para o último lance mais uma defesa estupenda e superior a todas as outras, a do São Marcelo Grohe. Grohe já estava na história, só melhora. Mas antes dele praticar uma defesa perfeita, tivemos 5 jogadores executando com perfeição cinco cobranças de pênaltis. Renato treinou. Um capitão que honrou a braçadeira meteu o primeiro, Maicon com paradinha; Cícero, canhoto, tirou a muralha da foto; Jael, o Cruel, colocou certinho sem chances; Everton estufou a rede; Luan, sim Luan, mandou às favas a síndrome do pênalti. Depois, Grohe correu para a pular de felicidade. Renato não é só estrela não, Renato treina, Renato autoriza e transfere confiança, Renato acumula títulos. Não bastasse o que fez como jogador repete como técnico. Treinou e poupou para ganhar. Cessem as trombetas.

Saudações Tricolores

Posts Relacionados

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: