GRÊMIO: 1, 2, 3, 4, 5 | Por Marcos Vargas

GRÊMIO: 1, 2, 3, 4, 5 | Por Marcos Vargas

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

O Grêmio está sendo reconhecido por um futebol vistoso e efetivo. As impressões nos países “Hermanos” enchem os gremistas de satisfação: Quem quiser ganhar a Libertadores precisará ganhar do Grêmio. Frase forte e que mostra o respeito conquistado pelo futebol praticado pelo nosso time, basta uma olhada nos principais periódicos na América Latina.

Outro jogo sublime da equipe sob o comando do Renato, outra goleada. Impressionante a capacidade de jogar bom futebol e construir placares elásticos em profusão deste time do Grêmio.

Recebemos o Cerro Porteño, tradicional clube paraguaio e habitué da Libertadores. Um time organizado defensivamente e que brigava pela liderança do grupo. Pois o Grêmio precisou de 15 minutos para assumir o controle total da partida, aplicando uma goleada sonora e inquestionável sobre o adversário. Para quem dizia que Maicon e Arthur não poderiam jogar juntos, o Grêmio vem provando que os dois são sim complementares e que hoje, o meio passa pela escalação dos dois. São a principal dupla em atividade no futebol brasileiro na minha opinião. A intensidade de trocas de passe, voluntariedade, cadência, ocupação inteligente de espaços e a verticalidade do passe final do Maicon são essenciais ao time. Nosso domínio começa pelos dois. A defesa com Geromel e Kannemann parece instransponível e os dois também se complementam. Grohe quebra seu próprio recorde de minutos sem levar gols (840 minutos) e contamos com sua segurança discreta quando necessário. Ramirinho é o motorzinho do time, Luan flutua sem posição fixa e quebra as linhas de marcação. Everton vem mostrando uma evolução impressionante em 2018. Seguramente será o destaque no Brasil este ano. Ainda dá pra citar Leo Moura, que jogou um partidaço, Cortez, Jael… Difícil escolher um só quando o conjunto todo está funcionando. A forma como o Grêmio se movimenta em campo é encantadora, em bloco na defesa, compactado, hora com marcação alta, com atacantes recompondo muito (e bem), paciência para rodar a bola, abrir e ocupar espaços até a estocada final.

O torcedor tem que aproveitar esta fase e se fazer presente na Arena. Estamos vendo um Grêmio que comentaremos por muito tempo no futuro. Ninguém está jogando o que estamos jogando hoje. E que esta fase siga assim por um longo período.

Saudações tricolores

Posts Relacionados

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: