POR QUE AS PESSOAS NÃO GOSTAM DA PRÓPRIA VOZ?

POR QUE AS PESSOAS NÃO GOSTAM DA PRÓPRIA VOZ?

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

Muitas vezes eu tive a oportunidade de ouvir gravações ou assistir vídeos em que eu estava conversando com outros ou fazendo uma palestra. Em todas essas ocasiões eu achei muito estranho ouvir a minha própria voz. Parecia outra pessoa falando e não eu. Não tinha nada a ver com a voz que eu ouço quando falo.

E muita gente diz o mesmo. Uma amiga me disse que quando foi conferir a mensagem gravada para deixar na caixa de recados do seu celular, a voz não parecia ser a dela. E eu mesmo quando gravei aquele solene “agora não posso atender, deixe o seu recado depois do bip”, tive a mesma impressão.

Então vai aqui uma explicação muito simples para entender por que isto acontece. E se você é um dos que acham estranho ouvir a própria voz leia com atenção o que segue.

QUANDO FALAMOS E OUVIMOS AO MESMO TEMPO

A explicação para este verdadeiro mistério tem a ver simplesmente com os diferentes caminhos que o som leva para chegar até o ouvido interno. O som da voz humana é ouvido na forma de vibrações que saem da boca e entram pelos ouvidos. No momento que nós estamos falando ou cantando, essas vibrações saem pela nossa boca e pelo nosso nariz e viajam até os nossos ouvidos. Mas antes dessa viagem quase instantânea é bom lembrar que o som das palavras nasce do ar dos pulmões. Então o ar passa pelas pregas vocais, e é articulado quando encontra resistência na língua, nos dentes e nos lábios. Agora já existe um som que usa os ossos da cabeça e os músculos da face para criar uma espécie de caixa natural de ressonância. Então, esse parece ser o som da nossa voz. É o que ouvimos simultaneamente ao momento da fala.

Outro detalhe. Enquanto falamos os músculos faciais exercem pressão sobre a cavidade auditiva. E como tudo está interligado, esses músculos e ossos que se movem para articular os sons, interferem no ouvido fazendo com que ele se contraia, diminuindo o espaço para a entrada dos sons. Enquanto no momento da fala as estruturas faciais trabalham, os sons captados encontram maior resistência e um caminho mais difícil.

QUANDO APENAS OUVIMOS

Já quando “apenas” ouvimos a nossa voz numa gravação, é totalmente diferente. Porque quando estamos quietos de boca fechada, aquela voz da gravação sai da caixa de som dos aparelhos e não da nossa boca. Agora os nossos músculos e ossos da face estão relaxados. Não há mais uma caixa de ressonância em pleno funcionamento. Não há pressão sobre a cavidade auditiva. Na nossa voz que vem do áudio ou do vídeo o som que viaja pelo ar e entra direto nos nossos ouvidos vem de um aparelho. Nessa hora, por que estamos calados, não há vibração das estruturas da nossa cabeça. E é essa voz das gravações a nossa voz real. Como os outros nos ouvem.

PORTANTO

Não se esqueça de mais esse aspecto fascinante e surpreendente dessa maravilha que é o dom da fala. O mistério da voz da gravação que parece ser diferente, mas que é a nossa verdadeira voz tem sim uma boa razão.

A voz que você ouve enquanto fala é o resultado do som que sai da sua boca e entra pelos seus ouvidos. A voz que você ouve enquanto fala precisa dos seus pulmões, das suas pregas vocais, da sua boca, da sua cabeça e dos seus ouvidos. Tudo ao mesmo tempo. E a voz das gravações que sai do aparelho precisa só dos seus ouvidos.

Mas fica a dica: “ISSO NÃO QUER DIZER QUE VOCÊ DEVE JOGAR PALAVRAS AO VENTO, SEM REFLETIR.”

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: