Rede de Opinião foi conhecer o Centro de Inovação e Tecnologia em São Paulo

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

Quantas vezes você já foi no supermercado fazer suas compras e logo que chega no caixa ouve aquele som emitido repetidamente ao fundo…bip! Muitas vezes, a gente não se dá conta pelo fato de já fazer parte da nossa rotina, mas a chamada leitura por código de barras garantiu outros rumos para a história da indústria e comércio, fazendo toda a diferença no nosso dia a dia! Ao longo dos últimos 40 anos, vem cumprido relevante papel na produção global. E o uso desta ferramenta avança. Os consumidores querem, a cada dia, mais informações!!

O Portal Rede de Opinião foi convidado para ir até São Paulo, capital, conhecer de perto o Centro de Inovação e Tecnologia, o CIT, um projeto super bacana capitaneado pela GS1 Brasil. Logo que chegamos, fomos participar da conferência Brasil em Código, que aconteceu em junho de 2016, no Hotel Unique, reunindo mais de 400 pessoas. Tendências em automação, tecnologias e novas formas de gestão nos segmentos de logística, indústria, saúde e varejo ditaram os debates. A equipe do congresso nos convidou para fazer um primeiro contato com o CIT, ali mesmo do hotel. Com um óculos de realidade virtual, fizemos um tour pelo local, como se estivéssemos lá!

Achei super interessante a informação de que o código de barras é lido seis bilhões de vezes por dia no mundo. E neste sentido, questões relacionadas com o sustentabilidade ganham força e a compra consciente passa a ser uma realidade. Critérios envolvidos na cadeia produtiva como respeito ao meio ambiente, impactos na saúde e responsabilidade social já são levados em conta por muitos consumidores. As empresas por sua vez, igualmente estão mais atentas, agregando práticas diretamente relacionadas às causas ambientais e sociais e desenvolvendo dentro de suas equipes, lideranças que gerenciem tais ações. Esse processo tem sido visto também, dentro de pequenas e médias empresas, como visão estratégica, que mostram cada vez mais engajamento. Estar com o bussiness conectado com questões sustentáveis é o negócio da vez!

Outra questão, são os benefícios que o código de barras gera, especialmente, em tempos de crise! A partir da adoção da tecnologia, é possível obter ganhos de eficiência operacional bastante consideráveis. Entre os pontos destacados, evitar o desperdício de matéria-prima é um deles. “A rastreabilidade é considerada o grande caminho para estimular toda a cadeia produtiva de alimentos, desde o campo até o consumidor final”, nos explicou João Carlos de Oliveira, presidente da GS1 Brasil.

Durante entrevista coletiva, Oliveira e equipe destacaram também, aspectos como lucro e eficiência, além das inúmeras possibilidades de se evitar perdas. Este último item em especial, me chamou muito a atenção. Como esta tecnologia poderia auxiliar evitando o desperdício no setor de alimentos, por exemplo?

No dia seguinte, fomos conhecer de perto o Centro de Inovação e Tecnologia, localizado no bairro Pinheiros, em SP, capital. Quem me acompanhou foi este rapaz da foto.  Ele se chama Cleverson.  Dança ao som de Michael Jackson no final do percurso, com clássico Thriller. Fofura total. Pois o Cleverson e auxiliares do CIT, nos apresentaram várias novidades em tecnologia e as diferentes aplicações em código de barras. Mas como já comentei aqui com vocês, fiquei antenada a uma questão que atende diretamente a saúde e o bolso dos consumidores – como evitar o desperdício no setor de alimentos.  A sugestão apresentada neste sentido, chama-se DataBar.

Durante a visita ao CIT, eles nos explicaram que com o DataBar, é possível codificar informações adicionais como número serial, número de lote e data de validade. É uma tendência global utilizar esse código no setor de frutas, verduras e legumes.

Outros produtos perecíveis como a carne e seus derivados também são beneficiados com a aplicação do código databar. Exemplo: você pegou uma embalagem de carne, mas não percebeu que está vencida. Na hora de passar o produto no caixa, ele não será vendido. Deve aparecer na tela a informação, ‘produto vencido’.  Super prático e seguro. Quem nunca comprou um item no supermercado que veio estragado e teve que por tudo fora?  É muito desagradável, desperdiçando tempo, dinheiro e, sobretudo, o alimento, um bem mais que precioso!

 

Este código também apresenta vantagens para o varejo porque os símbolos do DataBar são capazes de carregar mais informações do que o código de barras convencional. Por isso, possibilitam uma grande oportunidade de codificação de itens em diversos segmentos, assegurando maior rastreabilidade do produto (entrando novamente aqui, na questão de evitar o desperdício). É possível através da ferramenta, ter seus produtos identificados desde a origem, o lote, a validade etc. Isso assegura um melhor controle em caso de quebras de estoque, ajudando diretamente no gerenciamento e comercialização de alimentos frescos.

A GS1 em São Paulo tem ainda outros códigos e padrões atendendo os elos da cadeia de suprimentos, do fabricante ao consumidor final. Outra dica para os nossos leitores é que eles também desenvolvem um trabalho de consultoria buscando identificar as necessidades de cada empresa.

E para quem mora ou trabalha em São Paulo, ou para aqueles que estiverem visitando a capital, a dica é ir fazer uma visita no CIT! Acesso gratuito, equipe afinadíssima. Um monte de informações e itens super interessantes para a gente ver.

Serviço

Visitas ao Centro de Inovação e Tecnologia

Aberto ao público. É necessário agendar a visita com antecedência; Central de Atendimento (11) 3068.6229  – Endereço  – Rua Henrique Monteiro, 79 – Pinheiros
São Paulo – SP – CEP 05423-020  / Email atendimento@gs1br.org

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: