HÁ ALGO MELHOR RESERVADO | Por Carlos Josias

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

Lembro Baltazar, quando desperdiçou um pênalti contra o São Paulo no Olímpico na primeira partida da final do Brasileiro de 1981.

Deus, segundo ele, estava reservando algo de melhor logo adiante. O segundo jogo era no Morumbi e lá ele fez talvez o mais lindo gol da história do clube em conquistas expressivas e aquela, especialmente, foi um divisor de águas na trajetória do tricolor. Dois anos depois veio a primeira LA e o mundo. Aquela matada no peito e o chute no ângulo não sai da retina. Um golaço.

Contra o Cruzeiro o Grêmio não jogou bem. Verdade. O Cruzeiro também não realizou um grande jogo, mas foi mais efetivo e marcou o gol que colocou a decisão nos malditos pênaltis que tanto temos errado. Luan desperdiçou 4 pênaltis em 7, o que é uma estatística que aconselha a afastá-lo das cobranças. Mas como exigir de Renato que saque, neste momento tão importante da decisão, o seu melhor jogador? Zagalo pôs o Fenômeno em campo mesmo após uma noite de convulsões. E se perde sem ele? Pois é. O que dói é saber que temos mais time que o Cruzeiro, mas no futebol nem sempre ganha o melhor, tenho sérias dúvidas se éramos mesmo melhores que o São Paulo de 1981, que tinha mais da metade do time na seleção do país. É o tal do futebol.

Pior, nos pênaltis tivemos dois deles que não entram por descuido, não dá para dizer que foram desperdiçados bisonhamente. Não entrou. Grohe, como sempre, cumpriu a sua parte. O tão criticado Marcelo matou duas. O melhor do time errou o seu. Sacar Barrios foi o erro de Renato, a meu juízo, numa desclassificação que não tem só um ou dois responsáveis. Teve muitos, tantos quantos se teve no Penta. É de novo o tal futebol. Se ganha e se perde com culpados. Culpa pela vitória, culpa pela derrota.

Na boa? O Cruzeiro mereceu, parabéns ao Mano que vai para a final contra o Flamengo em confronto que vai ser duro, inclusive para nós Gremistas ter que ver de longe. Todo o Brasil, tirando nós e o Galo, ficou de fora ano passado, neste, nós ficamos com o resto, exceto o Urubu e a Raposa. No fim, só um ganha, os demais chupam. Mas a LA está logo ali. Que a profecia de Baltazar esteja presente com sua luminosidade para levantarmos o Tri. Quem não sabe perder e por que perde não consegue ganhar. Duro mesmo é a vida de quem seca.

Saudações Tricolores.

Posts Relacionados

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: