Covid-19, o durante e o depois da guerra sanitária | Por Dilmar Isidoro

Covid-19, o durante e o depois da guerra sanitária | Por Dilmar Isidoro

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

Este assunto, ainda está envolto de muitos mistérios quanto à origem. Especula-se também, que existem interesses de domínio do poder político e econômico no planeta. Contudo, o que existe de concreto é um vultoso prejuízo para todas as economias do mundo, algo nunca visto antes na história da humanidade que se tem notícia.

 

Centenas de Países estão isolados com confinamento de milhões de pessoas para barrar o alastramento do vírus que não é mortal, em princípio, mas que causa pânico e incertezas. A parada abrupta, vai causar um colapso na economia mundial e a recessão parece ser algo inevitável.

 

Neste contexto nefasto, cabe fazer algumas análises do presente e conjecturas para o período pós-crise.

 

Quanto ao presente, me parece que existem muitas perguntas sem respostas plausíveis, como por exemplo: [1] As mídias, de modo geral, corroboram para aumentar o alarmismo da população no Brasil com notícias diárias do aumento do nº de pessoas contaminadas. Raras são as emissoras que divulgam a taxa de mortalidade que é muito baixa e que a taxa das pessoas que foram curadas é muito elevada; [2] Mesmo em plena crise sanitária, há movimentos políticos no Brasil para execrar e pedir o afastamento do Presidente da República. Será que este é o momento certo para tais manifestações?; [3] Várias campanhas, estimulam as pessoas a ficarem em suas casas, sendo que a grande maioria da população tem renda baixa e milhões de pessoas são autônomos ou trabalham na informalidade por falta de oportunidades no mercado de trabalho, portanto precisam da renda diária; [4] Muitos problemas crônicos no Brasil, por exemplo, latrocínios, homicídios, feminicídios, dengue, malária, doenças e mortes em decorrência da deficiência na rede sanitária e outros tantos malefícios, parecem que ficaram em segundo plano ou foram esquecidos, mesmo com elevada taxa de mortalidade por ano em decorrência disso.

 

É evidente que o problema da pandemia existe e deve haver cuidados para se evitar a contaminação. Entretanto, o que se percebe é o terror que muitas emissoras, em especial de televisão com grande audiência, exibem aos telespectadores. E porque isso? É para ter audiência plantando o pânico nas pessoas ou existem outros interesses maiores e ocultos?

 

Por pior que possa ser o cenário, sempre existem alternativas para aliviar a apreensão das pessoas e para mostrar que logo, tudo vai ficar bem. Existem centenas de cientistas ao redor do mundo, trabalhando em pesquisas para entender o comportamento do vírus. A partir de então, será possível haver vacinas preventivas e medicamentos curativos. A população precisa ser mais seletiva nas mídias que assiste. Muitas, trabalham com sensacionalismo e falácias.

 

Quanto ao futuro, no pós-guerra sanitária, acredito que será estabelecida uma nova ordem mundial no mercado de trabalho, a partir da necessidade de adaptação das empresas que enfrentarão a inevitável recessão, antes da retomada do crescimento econômico.

 

Àquelas empresas sem reserva de liquidez (disponibilidade financeira), tendem a sucumbirem, outras irão revisar seus conceitos para permanecerem ativas. Neste contexto, fica implícito que o desemprego vai crescer muito. Aumentará o número de autônomos, já outros reforçarão as fileiras da informalidade.

 

A tecnologia da informação, já consolidada na vida das pessoas, tende a ocupar espaço ainda maior no mercado de trabalho dispensando a presença maciça de trabalhadores nas plataformas físicas. Isso já vinha acontecendo, antes da pandemia causada pelo covid-19. Exemplos disso: [a] faculdades EAD; [b] entregadores de alimentos conhecidos como ifood; [c] tele entrega de medicamentos e produtos não alimentícios; [d] e-commerce conhecidos como lojas virtuais, onde se faz compras pela internet; [e] transações bancárias pela internet; [f] pagamentos pela internet, etc.

 

Portanto, as mudanças de hábitos e comportamentos já vinham ocorrendo lentamente, sem as pessoas perceberem. Para ilustrar isso, observem, por exemplo, que as bancas de jornais quase não vendem mais jornais físicos, os quais estão sendo substituídos por jornais on line, inclusive por assinaturas.

 

Acredito que logo, o mundo estará livre do covid-19. Há quem pense que esta pandemia está servindo para as pessoas refletirem sobre como o mundo está se degradando aos poucos em todos os sentidos: ecossistema, valores morais, ganância pelo poder, tiranias, etc.

 

É possível corrigir o que está errado. É preciso ser mais seletivo nas informações tendenciosas que vem das mídias.

Posts Relacionados

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: