REFLEXÕES SOBRE RELAÇÕES SOCIOECONÔMICAS PRODUTIVAS | Por Walter L. Nunes

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

No contexto globalizado das relações entre capital e trabalho, existem dois conceitos de modelos regulatórios. Um é dos países com leis de proteções básicas ao trabalhador, possibilitando os detalhes das relações de trabalho para a negociação. O outro é dos países que põem, na lei, todos os detalhes dos contratos de trabalho, desconsiderando as diversidades dos setores produtivos e dos trabalhadores. Este é o modelo do Brasil – com 2,4 mil regras – que faz, do País, líder mundial em processos trabalhistas, com dois milhões de causas/ano (EUA = 75 mil/ano; França=70 mil/ano; Japão= 2,5 mil/ano). Assim, ocupamos a 137º posição, entre 140 países, na facilidade de contratar e demitir mão de obra, segundo o Fórum Econômico Mundial.

Tal modelo inibe a contratação de trabalhadores formais (seis em cada 10 são informais/autônomos) e demanda uma Justiça do Trabalho que só existe no Brasil e consome 39% do total do orçamento do Judiciário – para cada R$ 1.000 julgados, são gastos cerca de R$ 1.300. É necessário revisar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a representação sindical, os encargos sobre a folha e reduzir o paternalismo do Estado para gerar empregos formais. O mundo moderno exige flexibilidade regulatória, com um sindicalismo fortalecido para construir soluções de equilíbrio na relação socioeconômica produtiva focada num desenvolvimento sustentável onde todos ganham. As pressões sociais e econômicas impulsionam a valorização do homem como cidadão trabalhador consciente. Assim sendo, flexibilizar é a abordagem inteligente frente às novas tendências das relações de trabalho. Pode parecer que isso irá enfraquecer o Direito do Trabalho, mas tornará mais robustas as novas relações trabalhistas, pois o movimento sindical terá um papel de atuação mais ativo e decisivo.

Trabalhadores e empresários passarão a pensar de outra forma nessa nova face do sindicalismo, não defendendo apenas empregos e salários, mas, também, atividades com compromissos na responsabilidade social. Os sindicatos e os trabalhadores terão mais força e poder de barganha num ambiente regulatório que permita estabelecer acordos adequados às situações socioeconômicas produtivas. A realidade mostra que países com leis trabalhistas rígidas não favorecem investir e abrir empregos. Mas onde as leis trabalhistas viabilizam acordos, há mais facilidade para empreender e gerar novas oportunidades de emprego. Postos de trabalho se originam na facilidade de fazer negócios e, não, num emaranhado de regras que garante direitos de poucos empregos formais.

Posts Relacionados

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: