BNDES: o banco é de todos | Por Yeda Crusius

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

O maior de todos os acionistas do BNDES é o Governo Federal. O Governo Federal não tem dono. Portanto, o BNDES também não. Acompanho surpresa a reação dos gestores do Banco que anunciam publicamente que vão acionar o TCU porque não querem devolver 180 bilhões de reais ao Tesouro Nacional, como o governo pretende ao apresentar seu orçamento geral para o Congresso Nacional analisar, e modificar no que achar pertinente. Ora, o banco tem em caixa hoje 200 bilhões de reais, e a cada pouco entram mais recursos advindos dos que tiveram créditos aprovados e vão tendo que devolver em suaves prestações. E o TCU tem que acompanhar tudo sempre – embora não tenha evitado os maus negócios quando eles iam se sucedendo, principalmente no Governo Dilma.

Não sei se a J&S vai devolver os muitos bilhões que tomou de nós, de nossos impostos transferidos na era Lula-Dilma, do Tesouro Nacional para a conta do banco. Com esses bilhões a empresa se transformou na gigantesca empresa que é, e não só de proteína animal. Tem de tudo, de chinelo a alimentos. Fora as propinas. Que coisa. Com seus donos presos, o Conselho de Administração busca substitutos aos irmãos para evitar que o gigante do Lula vá à breca. O BNDES tem 2 assentos nesse conselho, porque detém 21,3% da empresa. Portanto, responde tanto pelos maus negócios feitos no passado quanto pela necessária reestruturação da firma. Que devolvam vendendo o que compraram com nossos impostos. Não sendo como a Petrobrás, que é estatal e vai se reestruturando com competência, sendo seus lucros distribuídos a seus verdadeiros proprietários dos milhões de ações da empresa, que faça dentro das regras do mercado privado.

O que sabemos é que a Venezuela não vai honrar os bilhões de “empréstimo” que tomou do BNDES para fazer infraestrutura com obras da Odebrecht. Também não sei se vão devolver os empréstimos Angola, Cuba, e outras ditaduras financiadas pelo BNDES, o banco que não tem dono, mas que teve recentemente expropriadores descarados, e “sócios” como os gigantes do Lula – Eike, Odebrecht, J&S. Se esses países não devolverem, então consideram que receberam doações do banco por parte de seus companheiros bolivarianos do Brasil… E teremos que assumir, como terão que assumir os milhares de participantes dos fundos de pensão das estatais depenadas, para poder receber suas aposentadorias cobrindo o furo de 18 bilhões perdidos com as más aplicações dos sindicalistas que os geriram.

Sendo as investigações aprofundadas, com TCU e outros órgãos de fiscalização e controle, quem sabe possamos tirar dos que usurparam o dinheiro público a parte que lhes toca. Ou pelo menos uma parte, fazendo justiça não apenas em anos de cadeia, mas em caixa mesmo.

Posts Relacionados

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: