Entendendo a crise do RS e a saída | Por Valter Nunes

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

O contexto da crise vivenciada pelo nosso Estado só foi percebido socialmente no momento em que os funcionários públicos não receberam seus salários. O custo da máquina ​estatal subiu mais do que a economia e a enorme carga tributária, gerando um déficit crescente. O Estado patrimonialista fez concessões indevidas que redundaram numa das maiores dívidas estaduais do País, graças à alienação social frente ao ativismo das corporações. Estas, junto com os políticos, são corresponsáveis pela crise que aí está. Desconsideram o histórico deste déficit fiscal e ainda culpam e pressionam o Executivo a pagar servidores e a prestar serviços qualidade.

Só há um caminho: enfrentar as causas da crise sem maquiagens e sem as versões mentirosas daqueles que usufruíram dos benefícios – participantes ativos da sua construção. O Executivo estadual precisa do apoio da sociedade para viabilizar uma agenda mínima reformista supracorporações para ter, no médio prazo, um RS renovado e indutor do bem social, com serviços públicos de qualidade. É necessário reduzir o Estado e aumentar a sua eficácia, além de limitar benefícios e benesses e de igualar as condições do emprego público ao privado. Deve-se, ainda, privatizar tudo aquilo que cabe à esfera privada exercer.

​​O Governo, com respaldo da sociedade organizada gaúcha, precisa encaminhar uma agenda de convergência mínima à Assembleia Legislativa, onde os interesses da sociedade devem se sobrepor aos das corporações. É justo que estas defendam as suas conveniências, mas injusto é quando interesses menores são priorizados ao invés dos da sociedade. A falta de cidadania política de lideranças sociais propicia que parlamentares pratiquem o populismo inconsequente, com discursos demagógicos anacrônicos, desconectados da realidade e das medidas amargas necessárias.
​ ​

Os b​enefícios concedidos aos mais necessitados através do assistencialismo clientelista formou eleitores-clientes do corporativismo​, inibindo o desenvolvimento ​d​a cidadania plena, pois esta poderia significar o fim da sustentabilidade pol​ítica. ​Ao Governo cabe apresentar à Assembleia Legislativa as novas medidas convergentes como o único caminho a seguir. À sociedade, caberá controlar quais os deputados que estão a favor de um RS melhor para todos, registrando as posições que refletiram a qualidade política no seu papel de compromissos com o Estado.

No próximo pleito, precisamos eleger políticos aptos a conduzir mudanças sem o viés populista que fez, do Brasil, o país das mentiras, eivado pela corrupção e dominado pelas corporações.

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: