Corrupção: Invenção Cultural, Colonial e Atual | Por Daniela Simões

Corrupção: Invenção Cultural, Colonial e Atual | Por Daniela Simões

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

A corrupção é uma ação que faz parte da sociedade brasileira. Natural? Não, mas sim, cultural; construída de diversas formas e com variadas consequências. Atualmente, alguns atribuem a sua invenção ao Partido dos Trabalhadores. Porém, tivemos muitos atos suspeitos nos governos anteriores de presidentes, governadores, prefeitos, intendentes, militares, policiais, imperadores, autoridades ligadas ao Legislativo e à Justiça.

A sociedade brasileira anterior à chegada de Cabral era igualitária de verdade: vida em comunidade, todos buscando a sobrevivência da sua tribo. Brigas entre povos existiam: disputavam território para seu grupo. Agora, a noção de aumento de poder era bem diferente. Os antropofágicos (aqueles que devoravam os próprios parentes ou os inimigos)buscavam “furtar” a força do oponente. Ao comer, adquiriam aquilo que havia de melhor dele. Hoje, tentamos tirar aquilo de pior do nosso adversário para acabar com ele: tão mesquinho!

Os portugueses chegaram e trouxeram o escambo: espelhos, ferramentas entre outras bugigangas para os índios em troca de livre exploração na colônia. Nas trocas e acordos comerciais os primeiros sinais de corrupção. Os indígenas tiveram seu espaço invadido, foram expulsos ou assassinados: frutos de negócios sujos.

Os europeus trouxeram a burocracia ao Brasil. E desde então, o povo a encara de frente. As Capitanias Hereditárias: distribuição de terras brasileiras aos amigos da Coroa Portuguesa. Com elas, aprendemos o poder da indicação como atalho para o sucesso.

O Santo do Pau Oco foi uma invenção para fugir do pagamento de tributos atribuídos à extração do ouro nas Minas Gerais. Dentro da imagem do santo, o ouro era transportado para vários lugares sem a fiscalização dos funcionários de Portugal. Plano sagrado! Esconde-se roubos nas imagens de santos, amantes, sócios, heróis da pátria, familiares, protetores e seguranças, obras inacabadas.

Os criminosos eram punidos com uma forçada vinda à colônia. Somos “terra de ladrões”? Sem resposta. Naquele tempo, adúlteros e não católicos eram considerados criminosos. Agora, sonegadores; nepotistas; racistas; e corruptos são considerados “Ficha Limpa” pela Justiça.

Daniela Simões
Historiadora  e Professora da rede municipal da cidade de Viamão.
Formada em Licenciatura em História pela ULBRA – Gravataí, e técnica em Web Design no SENAC Gravataí. Fui monitora e mediadora em museus e exposições de arte, auxiliar administrativa em e-commerce. Com experiência em História, Informática e Museologia.
contatos:
Fones: 51-999086539 ou
51-999942692
Redes Sociais: Twitter: @danielasimoesds
Instagram : danielasimoesds
Facebook: https://www.facebook.com/danielasimoesds

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: