Barragens, Marquises e Laudo de Incêndio | Por Click Síndico

Barragens, Marquises e Laudo de Incêndio | Por Click Síndico

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp


“Porta arrombada, tranca de ferro…” As experiências positivas nas evoluções das práticas e procedimentos de segurança, se dão exatamente após algo dramático ocorre, exemplos claros como o edifício Joelma em São Paulo a boate Kiss, em Santa Maria. Com as lições destas tragédias, foram criados novos procedimentos através de leis e normas para evitar que se repitam, ou para que não tenha um passivo de vidas. ​

Pois bem, sabemos que nosso país tem a capacidade de produzir leis para tudo, o que não é ruim, leis bem negociadas, pensadas e discutidas, onde a responsabilidade pela “porta arrombada” fica única e exclusivamente na pessoa jurídica, no caso das barragens e na pessoa física no caso dos laudos e marquises, em condomínios. E não pode ser diferente, a responsabilidade é sempre do gestor.


Não é incomum, me perguntarem “e se os laudos de incêndio ou de marquise não forem elaborados (alegação: é caro), o que acontece? Minha resposta – NADA, se não houver nenhum evento em seu condomínio, dificilmente algum órgão público vai bater à sua porta exigindo as adequações. Mas se ocorrer algum desses eventos e o poder público se fizer presente, Bombeiros, Defesa Civil, Prefeitura etc.., após o atendimento do sinistro, a segunda providencia é perguntar, “os laudos de incêndio, ou da marquise estão em dia?” …  aí é que começa os efeitos da negligência, o estado aplicará a multa pecuniária, o cia. de seguro não pagará o prêmio, e a responsabilidade é do gestor civil e criminal (se houver danos físicos). Imagine a dimensão do problema.


As leis bem elaboradas, sanções previstas, multas pecuniárias, identificação do responsável, tudo previsto, ok. Porém, nosso estado que apenas repassa a responsabilidade unilateralmente aos gestores, não assume o único papel que lhe cabe, a FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA, fazer valer a lei, e o que está muito bem determinado nela. Não entendo como não responsabilizar o poder público por esta também negligência.


No dramático evento de MG, laudos atestavam a normalidade da barragem, estão presos os responsáveis por estes laudos, avanço!!! Se houvesse uma FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA, pelos órgãos reguladores, a detecção de que os laudos não condiziam com a realidade, teríamos chance de evitar o ocorrido. Qual o papel do estado?


Nosso foco aqui é o Síndico e o Condomínio, os exemplos de Brumadinho, guardando as devidas proporções, servem perfeitamente aos Síndico de prédios de todo o país. Mantenha as documentações/laudos do condomínio em dia, observe os prazos de validade de cada um deles, és o responsável, cada laudo com a indispensável ART, ou RRT.


“A Vigilância cuida do normal…” (Zé Ramalho). O estado é brando para o normal e, se não ocorrer nenhum sinistro no condomínio, sua gestão passará incólume (torcemos que nada ocorra), mas se por ventura ocorrer e os laudos não estiverem em dia, rigorosamente em dia, o estado se apresentará com toda a sua força, e o gestor/Síndico é o único responsável.
Laudos não são apenas um atestado de segurança, eles também apontam para eventuais procedimentos adotados que devam ser corrigidos, ou alguma anomalia na edificação.

Airton Roxo

Posts Relacionados

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: