Privacidade é algo novo?

Privacidade é algo novo?

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

Recentemente em um dos maiores eventos de privacidade do mundo, promovido pelo IAPP ( International Association of Privacy Professionals), chamado IAPP Global Privacy Summit 2022 realizado em Washington, D.C, EUA, Tim Cook – CEO da Apple, trouxe uma citação de um livro escrito em 1972 para demonstrar a importância da privacidade nos dias atuais.

Citing the work of late privacy scholar Alan Westin’s seminal work, “Databanks in a Free Society,” which turns 50 years old this year, Cook said, “Westin concluded that while the erosion of privacy was a legitimate fear, it was not an inevitable consequence of technology.”

He also quoted from Westin’s 1972 book: What is collected, for what purposes, with whom information is shared, are all matters of policy choice, not technological determinism. … Man cannot escape his social or moral responsibilities by murmuring feebly that ‘the machine made me do it.’”

FONTE DO TEXTO: HTTPS://IAPP.ORG/NEWS/A/APPLES-TIM-COOK-PROTECTING-PRIVACY-MOST-ESSENTIAL-BATTLE-OF-OUR-TIME/

Em uma tradução livre:

Citando o trabalho seminal do estudioso de privacidade Alan Westin, “Bancos de dados em uma sociedade livre”, que completa 50 anos este ano, Cook disse: “Westin concluiu que, embora a erosão da privacidade fosse um medo legítimo, não era um inevitável consequência da tecnologia”.

Ele também citou o livro de Westin de 1972: “O que é coletado, para quais propósitos, com quem a informação é compartilhada, são questões de escolha de políticas, não de determinismo tecnológico. … O homem não pode escapar de suas responsabilidades sociais ou morais murmurando debilmente que ‘a máquina me obrigou a fazer isso’”.

Vejamos que a citação de 1972, há 50 anos atrás, já trazia em seu bojo os princípios insculpidos na GDPR e na LGPD, que chegaram quase 50 anos depois.

Temos que realmente compreender que o vilão da privacidade não é a tecnologia, nem mesmo de forma isolada a empresa A ou empresa B. É muito maior que isto.

O vilão e também quem vai mudar este cenário é a cultura.

Precisamos compreender que o problema da privacidade não é com o outro. É também conosco na maneira que divulgamos dados, entregamos dados, queremos as facilidades que os dados compilados e ajustados nos proporcionam, entretanto, reclamamos da soma de conhecimento que ele tem sobre nós.

O fato de existirem regras claras sobre proteção de dados na atualidade é essencial. Nos dá um norte, uma bandeira para entender melhor o que pode ou não sobre o tema.

Contudo, sozinho, sem pensar, sem criar uma cultura sólida sobre o tema, nada adianta. É similar a fazer uma adequação de implementação de LGPD sem treinar a equipe, sem estabelecer um comitê interno de privacidade, sem buscar compreender que a empresa é um ser vivo enquanto negócio, fluxos, tecnologia e pessoas.

Privacidade importa.

Pessoas importam.

Dados importam.

Tecnologia importa.

E o que a privacidade impacta nas pessoas, nos dados coletados e no uso que a tecnologia dá a tudo isto quando retorna as pessoas, importa.

Vamos buscar compreender o resultado, impacto, que a privacidade nos traz e criar uma cultura de respeitar a privacidade sem ofuscar a tecnologia ou os negócios oriundos e orientados a dados.

É possível, já que todos queremos privacidade e não é de hoje… E sabemos também há mais de 50 anos que a privacidade tem objetivo, foco, origem e destino, pode ser respeitada e não destruída pela tecnologia.

Façamos o princípio que nos leva a estudar história: Compreender o passado para melhorar o presente e evitar os mesmos erros no futuro.

Vamos cuidar da privacidade sem perder a evolução necessária e inevitável da tecnologia.

#PraPensar

 

 

Sou Gustavo Rocha

Professor da Pós Graduação, coordenador de grupos de estudos e membro de diversas comissões na OAB no RS e SP.

Atuo com consultoria em gestão, tecnologia, marketing estratégicos e implementação de adequação à Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD.

Quer conhecer mais? www.gustavorocha.com

Prefere mandar email ou adicionar nas redes sociais? gustavo@gustavorocha.com

Algo mais direto como Whatsapp, Telegram ou Signal? (51) 98163.3333

#Gestão #Tecnologia #MarketingJuridico #Privacidade #LGPD

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: