O Sul é meu País? | Por Polibio Braga

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

O movimento “O Sul é meu País”, cujo coordenador é o catarinense Celso Deucher, quer instalar 400 urnas em cidades escolhidas do Paraná, SC e RS, tudo com o objetivo de saber se os eleitores dos três Estados querem sair do Brasil.

 

Isto acontecerá neste domingo, sultâneamente com as eleições municipais.

 

Num primeiro momento, a Justiça de Santa Catarina proibiu o plebiscito, mas num segundo momento o movimento conseguiu vitória em instância superior.

 

A capital do Sul seria Lajes, SC, que segundo Deucher foi uma das capitais farroupilhas.

 

O movimento declara-se capitalista e liberal.

 

O repórter Bruno Meier, revista Veja deste final de semana, tentou ridicularizar Deucher e o movimento numa entrevista de página inteira da revista, esta semana, mas foi surpreendido pela consistência das respostas do líder da secessão. Ele lembrou ao repórter que entre 2011 a 2014, a União tungou R$ 501 bilhões do Sul e só devolveu R$ 119 bilhões, vampirizando recursos dos contribuintes sulistas para o Norte.

 

No RS, em Santa Cruz do Sul, outro movimento parecido não prosperou,mas ele tinha por objetivo tornar apenas o RS independente. O líder era Irton Marx. Marx tentou repetir Bento Gonçalves, mas sem usar armas.

 

A débâcle econômica do RS torna o movimento “O Sul é meu País” muito menos atraente, porque se Deucher forçar muito a barra, a secessão poderá ter apoio dos Estados do Sudeste, Norte, Nordeste e Centro-Oeste, que já não agüentam mais a choradeira dos gaúchos.

 

Agora, quem pede ajuda da União é o Sul e não o contrário.

 

De qualquer modo, o plebiscito recoloca em debate uma questão realmente de fundo, que é a questão do pacto federativo, porque ninguém mais agüenta as disfunções existentes atualmente no Brasil.

 

Quem viver, verá.

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: