SALVE, PAIXÃO | Por Yeda Crusius

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

João Carlos D’Ávila Paixão Côrtes completa neste 12 de julho de 2017 seus 90 anos. Seu filho Carlos publicou em 02 de Julho carta pública pelo www.estanciavirtual.com.br anunciando que nosso Paixão Côrtes se despede agora de sua vida pública, a mesma que fez do Rio Grande do Sul um celeiro de tradições registradas desde que, juntamente com mais 7 alunos do Julinho, saiu no “Piquete da Tradição” pelo estado a coletar todas as manifestações culturais do que hoje se chama Cultura Farroupilha. Ou MTG-Movimento Tradicionalista Gaúcho. O MTG está presente em todo o Brasil através dos CTG-Centros do Tradições Gaúchas, que sustentam com suas ações e iniciativas as tradições farroupilhas em todo canto do país e em outros países. São mais de 4.000 entidades gauchescas registradas espalhadas por esses rincões.

Muito do conhecimento que se tem no Brasil sobre a história, os costumes, a música, as vestimentas, a sonoridade da fala e os escritos dos poetas gaúchos se deve à criação e à permanente pesquisa e divulgação feitas por Paixão Côrtes, que seguiu após o Piquete da Tradição criando para o MTG. Nascido em Santana do Livramento, onde honrosamente fui campeã de votos nas eleições de 1994 para Deputada Federal, hoje Paixão Côrtes é o símbolo de Porto Alegre, em sítio onde foi colocada a escultura-símbolo dos gaúchos, e da qual foi modelo para a obra de Caringi. Na inauguração do sítio do Laçador, em 31 de março de 2007, ali pertinho do aeroporto, registrei que agora para todos os que iam viajar pela BR 116 ou pelo aeroporto, o Laçador estava ali para lhes dizer “boa viagem, vivente”. E para os que chegavam estava ali para lhes dizer “bem-vindo a Porto Alegre”. Pude receber cópia da escultura de Caringi, que depositei no Gabinete de Governador do Palácio Piratini com muita alegria.

Pude também como governadora fazer o reconhecimento por serviços prestados à cultura concedendo-lhe a Medalha Negrinho do Pastoreio. No dia da solenidade recebi de suas mãos e da sua esposa os livros que ela escreveu sobre as vestimentas típicas tanto para a mulher gaúcha quanto para os homens gaúchos, fruto os livros de pesquisa detalhada de todos os tempos e de todas as regiões. Uma preciosidade. Como agrônomo responsável por muito do que temos na ovinocultura pude também conferir a Medalha Assis Brasil durante a Expointer, nossa feira internacional anual de exposições que se realiza no Parque Assis Brasil, e que divulga e premia os frutos da terra.

Valorizo imensamente no trabalho de Paixão Côrtes o registro sistemático que ele tem feito há 70 anos de tudo o que pesquisou e o que conhece. Ele compartilha desde sempre o que conhece e aprende com todos, a partir dos documentos, livros, vídeos, mas principalmente pela sua presença em tudo o que se refere à valorização do Ser Gaúcho. Nosso Professor.

É por isso que nessa homenagem que recebe da Assembleia Legislativa no 12 de julho, dia do seu aniversário de 90 anos, faço questão de com muita alegria me juntar aos demais num brado forte e verdadeiro, o SALVE, PAIXÃO! Obrigada, Paixão!

Posts Relacionados

1 Comment

  1. Salve, Paixão – Yeda Crusius
    11 de julho de 2017 at 11:53 Reply

    […] Data da Crônica: 10/07/17 Publicado no Portal Rede de Opinião […]

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: