Stephen Hawking morre no Dia do TT | Por Yeda Crusius

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

A Terra amanheceu mais pobre neste 14 de março, com a morte de Stephen Hawking, físico inglês que revolucionou a Ciência e nossa percepção do mundo em que vivemos e do Universo.

Brilhante, o cientista desde cedo mostrou um valor que o diagnóstico de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), aos 21 anos, não logrou empanar. Com um Universo a explicar, Hawking desafiou os prognósticos que lhe davam dois anos de vida e viveu mais de 50, sempre ativo mentalmente, mesmo que a doença o tenha paralisado em uma cadeira de rodas. Se não podia mover os braços livremente, podia pensar, e se empenhou em resolver os cálculos científicos mais complexos apenas com a mente, sem usar equações. Tomou para si a frase “Eu poderia viver recluso numa casca de noz e me considerar rei do espaço infinito”, da peça Hamlet, de William Shakespeare, e seguiu em frente. Um de seus livros, inclusive, recebeu como título: “Universo em uma casca de noz”.

Hawking ampliou nossa visão do mundo, enquanto esteve recluo em sua casca de noz. Foi um dos cientistas mais conhecidos do mundo e dedicou grande esforço ao trabalho de popularizar a Ciência. Queria ser entendido. Ao perceber que seu maior best-seller “Uma Breve História do Tempo”, que chegou a mais de dez milhões de exemplares, havia sido muito lido, mas não totalmente, não hesitou em escrever nova versão, simplificada.

Sua vida ficará para sempre marcada pela superação, pelo brilhantismo e pela participação intensa nos debates de interesse social, como o aquecimento global, o Brexit e a eleição de Donald Trump, nos Estados Unidos – considerava os dois últimos acontecimentos como “um grito de raiva dos eleitores que se sentem abandonados por seus líderes” e o prenúncio do tempo mais perigoso para o planeta. Polêmico, achava que o fim da era humana na Terra estava próximo e incentivava a procura por novos planetas e por vida inteligente no Universo.

Uma das características mais marcantes de Hawking foi o bom-humor, que o levou a emprestar sua voz metálica, sintetizada desde que uma traqueostomia o impediu de falar permanentemente, a um disco da banda de rock Pink Floyd. Jogou cartas com Newton e Einstein em um episódio de Star Trek, e participações em episódios de Os Simpsons, Uma Família da Pesada e The Big Bang Theory. Viveu.

Stephen Hawking acreditava no acaso, em contraponto a outro monstro sagrado, Albert Einstein, que uma vez chegou a afirmar: “Deus não joga dados, nada é por acaso no Universo”. Terá sido uma casualidade o que os uniu para sempre no dia 14 de março? Lembrado por ser aniversário de Einstein e dedicado ao valioso e um tanto enigmático número Pi, que encanta matemáticos há mais de 3 mil anos, a data, agora, ficará na memória de todos nós como o dia em que amanhecemos menos inteligentes, por haver perdido Stephen Hawking. Para completar, Hawking nasceu no mesmo 8 de janeiro em que morreu Galileu Galilei, outro gênio da matemática, 300 anos antes. Deus não jogou dados com ele.

Frasista dos bons, costumava dizer: “Lembre-se de olhar para as estrelas e não para baixo, para os seus pés. Tente achar sentido no que você vê e pergunte sobre o que faz o Universo existir. Seja curioso”. A partir de hoje temos mais uma razão para erguer os olhos, é nas estrelas que encontraremos Stephen Hawking.

* Yeda Crusius é presidente Nacional do PSDB-Mulher, deputada federal no quarto mandato pelo Rio Grande do Sul, ex-governadora e ex-ministra do Planejamento.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

Yeda CrusiusYeda Crusius em dezembro de 2017.Deputada Federalpelo Rio Grande do SulPeríodo 5 de janeiro de 2017até a atualidadePeríodo 1° de fevereiro de 1995até 18 de dezembro de 200636º Governadora do Rio Grande do SulPeríodo 1° de janeiro de 2007até 1° de janeiro de 2011Vice-governador Paulo FeijóAntecessor(a) Germano RigottoSucessor(a) Tarso GenroMinistra do PlanejamentoPeríodo 26 de janeiro de 1993até 10 de maio de 1993Presidente Itamar FrancoAntecessor(a) Paulo Roberto HaddadSucessor(a) Alexis StepanenkoDados pessoaisNascimento 26 de julho de 1944 (73 anos)São Paulo, SPNacionalidade BrasileiraCônjuge Carlos Crusius (1971-2009)Partido PSDB (1990-atualidade)Profissão Economista, jornalista e políticaYeda Rorato Crusius (São Paulo, 26 de julho de 1944) é uma economista e política brasileira. Foi a 36ª governadora do Estado do Rio Grande do Sul, entre 2007 e 2011, atualmente sendo deputada federal do Estado e presidente nacional do PSDB Mulher.

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: