AGENDA CONVERGENTE PARA O FUTURO | Por Walter Lidio Nunes

AGENDA CONVERGENTE PARA O FUTURO | Por Walter Lidio Nunes

Facebook Twitter Google+ LinkedIn WhatsApp

Na governança atual do Brasil, já impera a próxima eleição, subordinando os interesses do País aos dos políticos e seu patrimonialismo clientelista.

Esta realidade só será mudada se uma elite inclusivista supracorporativista e mobilizada respaldar uma agenda para o próximo mandato, com a eleição de políticos comprometidos com ela. Para tanto, são necessárias mobilizações qualificadas e participativas de cidadania política,  conscientes de que este é o único caminho possível para alavancar as mudanças que favoreçam um empreendedorismo desenvolvimentista e menos desigualdade social. Isto implica em coordenar e articular uma agenda convergente com implantação evolutiva e aceitação social.

Devemos buscar a eleição de candidatos ao Executivo e ao Legislativo alinhados, comprometidos e capazes de empreendê-la. Nas estratégias de ação, deve-se contemplar vários pontos fundamentais, a começar pela redução do tamanho do estado e do seu custo, tornando-o mais eficiente, sem empresas estatais ineficientes e desnecessárias. Depois, digitalizar e reduzir a burocracia, departamentos e cargos comissionados, erradicar o patrimonialismo e rever a federalização excessiva. Deve-se alavancar a transparência para que a sociedade faça um efetivo controle social sobre as ações públicas. Uma reforma política que rompa com a eternização dos atores políticos e seus interesses propiciará esta ambiência. Precisamos estruturar a competitividade sistêmica do Brasil para integrá-lo à economia globalizada e para crescer de forma sustentável a 6% a.a.. Urge uma reforma e a redução da carga tributária, além do controle sobre as contas públicas para resgatar a capacidade de investimento em infraestruturas. Também é importante que a reforma da previdência não seja descaracterizada pela politicagem de véspera de eleição.

É hora de transformar o estado interventor em indutor do desenvolvimento sustentável, econômico e social que possibilite a geração de empregos e a redução da desigualdade social. Em decorrência do sucesso de uma agenda inicial, poderemos partir para outras reformas, como a do judiciário, da constituição, da educação, da inovação, etc.. Atuemos, então, como uma elite social comprometida, inclusivista e mobilizada com uma agenda convergente de reformas desvinculadas a ideologias anacrônicas e narrativas populistas, consubstanciada por um apoio sociopolítico que inicie um processo de mudanças planificadas para o País. Caso contrário, teremos apenas mais do mesmo.

Posts Relacionados

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: